Publicações

30/03/17

Projeto em Lages auxilia no reconhecimento de paternidade

Em Lages, na Serra catarinense, há 13 anos, o Instituto Paternidade Responsável atua para auxiliar na aproximação entre pais e filhos, nos casos em que o nome do pai não consta na certidão de nascimento do filho. Neste período, o reconhecimento voluntário de paternidade aumentou em 50% no município, sem a necessidade de uma ação judicial, como mostrou o Jornal do Almoço.

Por decisão da mãe, a manicure Aline Loeff, de 35 anos, ficou sem o nome do pai na certidão de nascimento. Apesar de conviver com ele, o vazio no documento fez com que ela passasse por constrangimentos. “Esse nome do pai sempre me fez muita falta, eu não sabia me expressar e contar o porquê disso”, afirmou.Segundo um estudo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no país, são 5 milhões de crianças sem o nome do pai na certidão de nascimento. O Instituto Paternidade Responsável recebe casos enviados por cartórios de crianças cujas certidões de nascimento não têm o nome do pai.

Em uma sala de audiência, uma equipe formada por psicóloga, assistente social e conciliadora atende e orienta as mães. Os dois filhos da diarista Fernanda Aparecida de Oliveira não têm o nome do pai na certidão de nascimento. Com o exame de DNA em mãos, ela alterou o documento dos filhos.“Graças a Deus deu tudo certo. Agora, simplesmente, eles vão ter que me ajudar, não só com dinheiro, mas dando amor de pai”, disse.

A atuação do instituto não se restringe ao reconhecimento da paternidade. “A conciliação trabalha isso, pra que a mãe perceba que não se resume a um papel, mas se estende ao amor e ao carinho que essa criança precisa”, explicou a conciliadora Rita Lang.

Quem nunca teve o nome do pai na certidão e luta para ter sabe o quanto esse preenchimento é importante.
“Agora, eu vou ter um pai, não será mais desconhecido”, alegrou-se Aline Loeff.

Fonte: G1

Publicações relacionadas

30/03/17

Projeto em Lages auxilia no reconhecimento de paternidade

Em Lages, na Serra catarinense, há 13 anos, o Instituto Paternidade Responsável atua para auxiliar na aproximação entre pais e filhos, nos casos em que o nome do pai não consta na certidão de nascimento do filho. Neste período, o reconhecimento voluntário de paternidade aumentou em 50% no município, sem a necessidade de uma ação judicial, como mostrou o Jornal do Almoço.

Por decisão da mãe, a manicure Aline Loeff, de 35 anos, ficou sem o nome do pai na certidão de nascimento. Apesar de conviver com ele, o vazio no documento fez com que ela passasse por constrangimentos. “Esse nome do pai sempre me fez muita falta, eu não sabia me expressar e contar o porquê disso”, afirmou.Segundo um estudo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no país, são 5 milhões de crianças sem o nome do pai na certidão de nascimento. O Instituto Paternidade Responsável recebe casos enviados por cartórios de crianças cujas certidões de nascimento não têm o nome do pai.

Em uma sala de audiência, uma equipe formada por psicóloga, assistente social e conciliadora atende e orienta as mães. Os dois filhos da diarista Fernanda Aparecida de Oliveira não têm o nome do pai na certidão de nascimento. Com o exame de DNA em mãos, ela alterou o documento dos filhos.“Graças a Deus deu tudo certo. Agora, simplesmente, eles vão ter que me ajudar, não só com dinheiro, mas dando amor de pai”, disse.

A atuação do instituto não se restringe ao reconhecimento da paternidade. “A conciliação trabalha isso, pra que a mãe perceba que não se resume a um papel, mas se estende ao amor e ao carinho que essa criança precisa”, explicou a conciliadora Rita Lang.

Quem nunca teve o nome do pai na certidão e luta para ter sabe o quanto esse preenchimento é importante.
“Agora, eu vou ter um pai, não será mais desconhecido”, alegrou-se Aline Loeff.

Fonte: G1

Publicações relacionadas

Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Fechar