Publicações

18/10/16

Poder Judiciário lança campanha que incentiva adoção tardia no Rio Grande do Sul

Cerca de 600 crianças e adolescentes estão disponíveis para adoção no Rio Grande do Sul, enquanto 5,2 mil pais estão habilitados pela Justiça para adotar um filho. Para adequar essa equação, o Poder Judiciário gaúcho lança nesta sexta-feira (14) a campanha “Deixa o amor te surpreender”, no Foro Central II, em Porto Alegre.

A iniciativa é liderada pela Coordenadoria da Infância e Juventude do estado e pretende discutir o tema, principalmente a questão da flexibilização do perfil procurado. Segundo a Justiça, a maioria dos candidatos procura crianças saudáveis com até três anos de idade.

“Nós acreditamos que nessa adoção tardia, de difícil colocação, a pessoa tem que se abrir para ser surpreendida por esse amor”, reflete a juíza Andrea Rezende Russo.

Irmãos devem ser adotados juntos

Outro foco da campanha é manter irmãos na mesma família adotiva. Como ocorreu com Israel e o Joel, que foram adotados pela jornalista Queli Giuriatti e pelo produtor de cinema Jeferson Mundel.

“A gente teve situações bem inusitadas, de pessoas que vieram conversar com a gente e dizer ‘não faz isso, tu tá maluco. Isso aí é terrível, tu não sabe o que vai enfrentar pela frente’. Eu dizia ‘eu estou preparado para amar, a gente vai ter que trabalhar isso aí com amor e cuidado'”, conta Jeferson. “Não tem coisa mais linda que o amor de um filho. A gente ganha muito mais do que dá”, completa Queli.

A solenidade de lançamento da campanha ocorre no miniauditório do Foro Central II de Porto Alegre, na Rua Manoelito de Ornellas, nº 50, 23º andar, a partir das 16h desta sexta-feira.

“São crianças e adolescentes que estão preparados, estão disponíveis e querem muito uma família. Esse mito que essas crianças e adolescentes por ventura possa dar algum problema, não é verdadeiro, não é absoluto. Quem tem filho sabe disso. Deixa o amor te surpreender”, afirma a juíza Andrea.

Fonte: G1

Publicações relacionadas

18/10/16

Poder Judiciário lança campanha que incentiva adoção tardia no Rio Grande do Sul

Cerca de 600 crianças e adolescentes estão disponíveis para adoção no Rio Grande do Sul, enquanto 5,2 mil pais estão habilitados pela Justiça para adotar um filho. Para adequar essa equação, o Poder Judiciário gaúcho lança nesta sexta-feira (14) a campanha “Deixa o amor te surpreender”, no Foro Central II, em Porto Alegre.

A iniciativa é liderada pela Coordenadoria da Infância e Juventude do estado e pretende discutir o tema, principalmente a questão da flexibilização do perfil procurado. Segundo a Justiça, a maioria dos candidatos procura crianças saudáveis com até três anos de idade.

“Nós acreditamos que nessa adoção tardia, de difícil colocação, a pessoa tem que se abrir para ser surpreendida por esse amor”, reflete a juíza Andrea Rezende Russo.

Irmãos devem ser adotados juntos

Outro foco da campanha é manter irmãos na mesma família adotiva. Como ocorreu com Israel e o Joel, que foram adotados pela jornalista Queli Giuriatti e pelo produtor de cinema Jeferson Mundel.

“A gente teve situações bem inusitadas, de pessoas que vieram conversar com a gente e dizer ‘não faz isso, tu tá maluco. Isso aí é terrível, tu não sabe o que vai enfrentar pela frente’. Eu dizia ‘eu estou preparado para amar, a gente vai ter que trabalhar isso aí com amor e cuidado'”, conta Jeferson. “Não tem coisa mais linda que o amor de um filho. A gente ganha muito mais do que dá”, completa Queli.

A solenidade de lançamento da campanha ocorre no miniauditório do Foro Central II de Porto Alegre, na Rua Manoelito de Ornellas, nº 50, 23º andar, a partir das 16h desta sexta-feira.

“São crianças e adolescentes que estão preparados, estão disponíveis e querem muito uma família. Esse mito que essas crianças e adolescentes por ventura possa dar algum problema, não é verdadeiro, não é absoluto. Quem tem filho sabe disso. Deixa o amor te surpreender”, afirma a juíza Andrea.

Fonte: G1

Publicações relacionadas

Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Fechar