Publicações

07/12/16

Justiça australiana aprova cirurgia de redesignação de gênero de criança de 5 anos

Uma criança australiana de cinco anos, denominada menino na hora do nascimento, crescerá como mulher após a Justiça autorizar a cirurgia de redesignação sexual.

A Vara de Família, tribunal nacional, aprovou um pedido dos pais da criança para remover cirurgicamente seus testículos. Conhecida como “Carla”, a criança se identifica como menina, apesar de não ter órgãos reprodutivos do sexo feminino.

Comportamento ‘estereotipado feminino’

Quando “Carla” completou cinco anos, seus pais resolveram esclarecer na Justiça se precisavam de permissão para realizar a cirurgia, considerada complexa e irreversível.

À Vara de Família, eles relataram que “Carla” nasceu com genitália com aparência feminina e demonstrava comportamento “estereotipicamente de mulher”, que incluia não querer ser chamada de menino e uma preferência por “brinquedos, roupas e atividades femininas”.

As pessoas que apresentam uma combinação de características sexuais, como genitália ambígua, são identificadas como intersexuais.

O processo, ao qual a BBC teve acesso, mostra o atestado de médicos especializados, informando que a cirurgia acabaria com o risco de Carla desenvolver tumores no futuro e que sua fertilidade era incerta. Segundo eles, o procedimento deveria ser feito antes da puberdade.

Juiz disse considerar que cirurgia poderia evitar riscos à saúde física e emocional da criança; alguns ativistas discordam.

O tribunal decidiu que os pais não precisavam de permissão para agendar a cirurgia. De acordo com o jornal The Australian, a sentença foi dada em janeiro deste ano, mas não foi divulgada ao público imediatamente.

“Considero que o tratamento médico proposto é necessário para cuidar adequadamente e proporcionalmente de um defeito corporal genético que, se não for tratado, representa riscos reais e substanciais à saúde física e emocional da criança”, disse o juiz Colin Forrest em seu despacho.

Fonte: G1

Publicações relacionadas

07/12/16

Justiça australiana aprova cirurgia de redesignação de gênero de criança de 5 anos

Uma criança australiana de cinco anos, denominada menino na hora do nascimento, crescerá como mulher após a Justiça autorizar a cirurgia de redesignação sexual.

A Vara de Família, tribunal nacional, aprovou um pedido dos pais da criança para remover cirurgicamente seus testículos. Conhecida como “Carla”, a criança se identifica como menina, apesar de não ter órgãos reprodutivos do sexo feminino.

Comportamento ‘estereotipado feminino’

Quando “Carla” completou cinco anos, seus pais resolveram esclarecer na Justiça se precisavam de permissão para realizar a cirurgia, considerada complexa e irreversível.

À Vara de Família, eles relataram que “Carla” nasceu com genitália com aparência feminina e demonstrava comportamento “estereotipicamente de mulher”, que incluia não querer ser chamada de menino e uma preferência por “brinquedos, roupas e atividades femininas”.

As pessoas que apresentam uma combinação de características sexuais, como genitália ambígua, são identificadas como intersexuais.

O processo, ao qual a BBC teve acesso, mostra o atestado de médicos especializados, informando que a cirurgia acabaria com o risco de Carla desenvolver tumores no futuro e que sua fertilidade era incerta. Segundo eles, o procedimento deveria ser feito antes da puberdade.

Juiz disse considerar que cirurgia poderia evitar riscos à saúde física e emocional da criança; alguns ativistas discordam.

O tribunal decidiu que os pais não precisavam de permissão para agendar a cirurgia. De acordo com o jornal The Australian, a sentença foi dada em janeiro deste ano, mas não foi divulgada ao público imediatamente.

“Considero que o tratamento médico proposto é necessário para cuidar adequadamente e proporcionalmente de um defeito corporal genético que, se não for tratado, representa riscos reais e substanciais à saúde física e emocional da criança”, disse o juiz Colin Forrest em seu despacho.

Fonte: G1

Publicações relacionadas

Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Fechar