Publicações

19/04/18

Clipping – Jornal de Negócios – Portugal é 7º país da UE com mais nascidos fora do casamento

Em 2016, mais de 5,1 milhões de bebês nasceram na União Europeia (UE) com cada vez mais nascimentos fora do casamento. Portugal é um dos oito países onde mais de metade dos nascimentos deu-se fora do matrimônio.

Os números divulgados esta segunda-feira, 16 de Abril, pelo Eurostat revelam que o peso dos nascimentos fora do casamento tem vindo a aumentar em todos os Estados-membros, embora com ritmos muito diferentes.

França é o país da UE com maior percentagem de nascimentos fora do matrimônio (59,7%), seguida da Bulgária e Eslovênia (ambas com 58,6%). Portugal ocupa o sétimo posto, com 52,8% dos nascimentos fora do casamento.

Estônia (56,1%), Suécia (54,9%), Dinamarca (54%) e Holanda (50,4%) são os outros países onde mais de metade dos bebés nasceu fora do matrimônio.

No extremo oposto encontram-se a Grécia (9,4%), Croácia (18,9%), Chipre (19,1%) e Polónia (25%).

Comparando com o ano de 2000, o peso dos nascimentos fora do matrimónio aumentou em todos os Estados-membros, embora com ritmos bastante diferentes. Assim, enquanto nos países mediterrânicos registou-se uma forte subida – casos do Chipre (2,3% em 2000 para 19,1% em 2016), Malta (10,6% para 31,8%), Itália (9,7% para 28%) e Portugal (22,2% para 52,8%) – nos países nórdicos, Reino Unido, Irlanda e nos países do Báltico, a proporção manteve-se relativamente estável.

Recuando a 1986, verifica-se que Portugal passou de um em cada oito nascimentos fora do matrimónio (12,8%) para mais de metade (52,8%). No Chipre, por exemplo, em 1986 apenas 0,5% dos nascimentos ocorriam fora do casamento, número que subiu para 19,1% 30 anos depois.

Entre os países europeus fora da UE, a Islândia destaca-se ao registar 69,6% dos nascimentos fora do matrimônio.

Fonte: Jornal de Negócios

Publicações relacionadas

19/04/18

Clipping – Jornal de Negócios – Portugal é 7º país da UE com mais nascidos fora do casamento

Em 2016, mais de 5,1 milhões de bebês nasceram na União Europeia (UE) com cada vez mais nascimentos fora do casamento. Portugal é um dos oito países onde mais de metade dos nascimentos deu-se fora do matrimônio.

Os números divulgados esta segunda-feira, 16 de Abril, pelo Eurostat revelam que o peso dos nascimentos fora do casamento tem vindo a aumentar em todos os Estados-membros, embora com ritmos muito diferentes.

França é o país da UE com maior percentagem de nascimentos fora do matrimônio (59,7%), seguida da Bulgária e Eslovênia (ambas com 58,6%). Portugal ocupa o sétimo posto, com 52,8% dos nascimentos fora do casamento.

Estônia (56,1%), Suécia (54,9%), Dinamarca (54%) e Holanda (50,4%) são os outros países onde mais de metade dos bebés nasceu fora do matrimônio.

No extremo oposto encontram-se a Grécia (9,4%), Croácia (18,9%), Chipre (19,1%) e Polónia (25%).

Comparando com o ano de 2000, o peso dos nascimentos fora do matrimónio aumentou em todos os Estados-membros, embora com ritmos bastante diferentes. Assim, enquanto nos países mediterrânicos registou-se uma forte subida – casos do Chipre (2,3% em 2000 para 19,1% em 2016), Malta (10,6% para 31,8%), Itália (9,7% para 28%) e Portugal (22,2% para 52,8%) – nos países nórdicos, Reino Unido, Irlanda e nos países do Báltico, a proporção manteve-se relativamente estável.

Recuando a 1986, verifica-se que Portugal passou de um em cada oito nascimentos fora do matrimónio (12,8%) para mais de metade (52,8%). No Chipre, por exemplo, em 1986 apenas 0,5% dos nascimentos ocorriam fora do casamento, número que subiu para 19,1% 30 anos depois.

Entre os países europeus fora da UE, a Islândia destaca-se ao registar 69,6% dos nascimentos fora do matrimônio.

Fonte: Jornal de Negócios

Publicações relacionadas

Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Fechar