Publicações

02/07/18

Clipping – Fox Sports – Mexicano teve nome alterado por conta do Brasil na Copa e agradece ao pai: “Orgulho”

Se para um torcedor brasileiro ou mexicano “comuns” o jogo entre as duas seleções, nesta segunda-feira, já é especial somente pela importância de umas oitavas de final da Copa do Mundo, imagine então para Rivelino De La Luz Sotelo, mexicano de 48 anos que vive na cidade de Guadalajara, mas que está seguindo sua seleção na Rússia.

Rivelino era, originalmente, “Raimundo”, e nasceu em fevereiro de 1970, antes da disputa da Copa do Mundo do México que transformou aquela seleção brasileira em um dos maiores ícones do esporte mundial. Mas o ainda bebê Raimundo teria que mudar de nome por conta da paixão do pai, meses depois, ao ver a seleção canarinho.

Seu pai se apaixonou tanto pelo futebol brasileiro, que decidiu ir até o cartório trocar o nome de Raimundo para Rivelino. Até hoje, o mexicano tem o primeiro nome apagado no registro civil. Em Samara para o duelo entre Brasil e México, o emocionado Rivelino conta como essa partida é especial por conta disso.

“Nasci em fevereiro de 1970, no dia 1º de fevereiro de 1970, porque meu pai era muito, muito fã de futebol, e vivia em Guadalajara, onde a história seleção brasileira que ganhou a Copa do Mundo de 1970 jogou”, falou.

“Quando ele viu o Brasil jogar pela televisão, e tinha muitos grandes nomes, e ele adorou como jogava o Rivelino. Meu pai adorou aquele time e o Rivelino. E ele gostou tanto, que foi até o cartório mudar o meu nome. Ele tinha me registrado, primeiramente, como Raimundo. E ele foi até o registro civil mudar o meu nome e ficou apagado o Raimundo. E tenho muito orgulho de ter esse nome, e ver um jogo do Brasil contra o México, por tudo isso, envolve muita história pra mim”, disse o mexicano.

O Rivelino mexicano lamenta nunca ter tido a oportunidade de conhecer o brasileiro, ex-ídolo de Corinthians e Fluminense, mas não perde a esperança. Apesar de o jogo de hoje envolver um forte lado emocional, o Brasil vai ficar de lado. “Hoje sou México, não tem como, adoro o Brasil e sua história, mas vamos com a nossa seleção”.

Fonte: Arpen BR

Publicações relacionadas

02/07/18

Clipping – Fox Sports – Mexicano teve nome alterado por conta do Brasil na Copa e agradece ao pai: “Orgulho”

Se para um torcedor brasileiro ou mexicano “comuns” o jogo entre as duas seleções, nesta segunda-feira, já é especial somente pela importância de umas oitavas de final da Copa do Mundo, imagine então para Rivelino De La Luz Sotelo, mexicano de 48 anos que vive na cidade de Guadalajara, mas que está seguindo sua seleção na Rússia.

Rivelino era, originalmente, “Raimundo”, e nasceu em fevereiro de 1970, antes da disputa da Copa do Mundo do México que transformou aquela seleção brasileira em um dos maiores ícones do esporte mundial. Mas o ainda bebê Raimundo teria que mudar de nome por conta da paixão do pai, meses depois, ao ver a seleção canarinho.

Seu pai se apaixonou tanto pelo futebol brasileiro, que decidiu ir até o cartório trocar o nome de Raimundo para Rivelino. Até hoje, o mexicano tem o primeiro nome apagado no registro civil. Em Samara para o duelo entre Brasil e México, o emocionado Rivelino conta como essa partida é especial por conta disso.

“Nasci em fevereiro de 1970, no dia 1º de fevereiro de 1970, porque meu pai era muito, muito fã de futebol, e vivia em Guadalajara, onde a história seleção brasileira que ganhou a Copa do Mundo de 1970 jogou”, falou.

“Quando ele viu o Brasil jogar pela televisão, e tinha muitos grandes nomes, e ele adorou como jogava o Rivelino. Meu pai adorou aquele time e o Rivelino. E ele gostou tanto, que foi até o cartório mudar o meu nome. Ele tinha me registrado, primeiramente, como Raimundo. E ele foi até o registro civil mudar o meu nome e ficou apagado o Raimundo. E tenho muito orgulho de ter esse nome, e ver um jogo do Brasil contra o México, por tudo isso, envolve muita história pra mim”, disse o mexicano.

O Rivelino mexicano lamenta nunca ter tido a oportunidade de conhecer o brasileiro, ex-ídolo de Corinthians e Fluminense, mas não perde a esperança. Apesar de o jogo de hoje envolver um forte lado emocional, o Brasil vai ficar de lado. “Hoje sou México, não tem como, adoro o Brasil e sua história, mas vamos com a nossa seleção”.

Fonte: Arpen BR

Publicações relacionadas

Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Todos os direitos reservados ao autor 2016.
Fechar